O Reviva foi o primeiro zine de Correntina. Isso mesmo: Correntina, um ponto de civilização no meio do cerrado do oeste baiano. Uma pequena cidade do interior cheia de contrastes, de beleza e tranquilidade cativantes, mas com uma mesmice absurda de se espantar qualquer um que busque por alternativas artísticas e culturais. Para combater toda essa apatia e indiferença é que surgiu o Reviva, visando difundir as boas iniciativas e ideias que ultrapassassem o senso comum.

    <p>Conforme citado no 
      <a href="http://reviva.radicaos.com/1/editorial" target="_blank">editorial do número um</a>, a proposta era juntar pessoas com vontade de escrever, fugir do marasmo e divulgar o que rolava de alternativo na região. Diferentes opiniões e pontos de vista não tinham barreira no Reviva, e uma pluralidade enorme de materias puderam ser compiladas nas páginas preto-e-branco: entrevistas, resenhas, poemas, críticas, anúncios de eventos e desabafos.
    </p>
    <p>A própria estética e diagramação do zine chamavam a atenção. Cada página tinha um visual único composto por colagens, desenhos e recortes individuais, trabalhados à mão. Em seguida, as folhas eram encadernadas e fotocopiadas, resultando nos inconfundíveis exemplares em escala de cinza. Além do tempo de redação, a produção de um novo número levava semanas de arte, diagramação, cópia e dobraduras.</p>
    <p>O zine teve quatro edições, lançadas entre 2008 e 2010, e contou com a participação de colaboradores de Correntina, Santa Maria da Vitória, Barreiras e até de Brasília. Essa rede de amigos foi responsável pelos textos, custeio e também pela distribuição dos exemplares. Graças à ajuda voluntária de nossos amigos o Reviva pôde ser lido em diversos cantos do Brasil, chegando a mãos improváveis em feiras, festivais e até via compartilhamento por carta e scans.</p>
    <p>Passado-se tantos anos, agora os textos do Reviva tornam-se públicos novamente 
      <a href="http://reviva.radicaos.com" target="_blank">em páginas web</a>. 
      <a href="http://reviva.radicaos.com" target="_blank">Neste site</a> é possível acessar os conteúdos das quatro edições do zine, graças a um trabalho de recuperação, formatação e design que ainda está em andamento. É certo que a experiência de ler um exemplar físico do zine nunca será perfeitamente reproduzida num meio digital, porém a presença do Reviva na web mantém a alma do projeto viva e acessível a quem se interessar.
    </p>
    <p>Apesar de Correntina ainda ser tão parecida com aquela descrita nos textos do Reviva, estes materias são testemunho de que alternativas existem, mesmo num lindo mar de mesmice. Que o zine Reviva continue a inspirar e que o legado dos seus autores faça surgir outras iniciativas semelhantes na nossa região. REVIVA!</p>